Pessoas ansiosas são mais propensas a sofrerem de bruxismo

Alessandra Bernardo

Os estresses do dia-a-dia, com suas inúmeras responsabilidades e prazos mínimos, estão diretamente ligados aos transtornos de ansiedade. E, quem sofre com isso têm grandes chances de desenvolver uma doença chamada bruxismo, de acordo com pesquisa feita pela Universidade de São Paulo (USP). Caracterizada por um constante apertar ou rangido dos dentes, o bruxismo afeta pessoas de diferentes faixas etárias e pode provocar desde o desvio na mordida até fraturas dos ossos da mandíbula.

Além de causar o desgaste dos dentes, o bruxismo ainda traz dores de cabeça, cansaço da musculatura mandibular e dor ao mastigar. Segundo a especialista em Disfunção Têmporo-Mandibular, Rachel Queiroz, o tratamento é feito com o auxílio de placas de resina de acrílico, que são colocadas entre as arcadas inferior e superior durante o sono, para evitar o contato entre ambas. Há ainda a opção do aparelho. No entanto, outra pesquisa da USP aponta que o controle da ansiedade reduz o hábito indesejado de apertar ou ranger os dentes.

O bruxismo é um distúrbio do sono, uma parassonia, que pode se manifestar em situações de estresse, tensão ou preocupação extrema. Como a pessoa range ou aperta os dentes durante a noite toda, acaba sentindo dores de cabeça tensionais, causadas pela contração dos músculos da mastigação, dor na articulação da mandíbula, desvios ao abrir a boca, dor e desgaste dos dentes. Em algumas situações, além do atendimento com um odontólogo, o paciente é encaminhado para tratamento psicoterápico.

Crianças hiperativas sofrem mais com bruxismo

As crianças também podem desenvolver o bruxismo, principalmente as hiperativas, que tem muita energia, mas não gastam tudo durante as atividades do dia-a-dia. Porém, como elas ainda estão em fase de crescimento ósseo, não dá para usar a placa de acrílico entre as arcadas dentárias, por isso, o tratamento mais adequado é a psicoterapia, aliada a alguma atividade física em que ela gaste a energia acumulada.

“Crianças com excesso de energia acumulada, que não param quietas num canto e que vivem agitadas são mais propensas a sofrer de bruxismo, só que não é usado o tratamento padrão, que são as placas entre as arcadas, por causa do estágio de desenvolvimento em que elas estão. Nesse caso, o mais indicado é o acompanhamento psicoterápico, onde elas podem extravasar esse excesso de energia”, disse.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: